Terapia Ocupacional

A Terapia Ocupacional em pediatria procura o ótimo desenvolvimento da criança/jovem de modo a que esta consiga fazer ''aquilo que gosta'' e aquilo que ''precisa fazer''.

Áreas de Atuação

O Terapeuta Ocupacional avalia a criança/jovem ao nível dos componentes sensório-motores, cognitivos e psicossociais, avaliando também as ocupações que esta realiza bem como o contexto em que estas desenvolvem. As ocupações das crianças (entre 1 mês e 18 anos) giram em torno do brincar, dos auto cuidados e da aprendizagem.

Estes aspetos remetem para tarefas como o rolar, sentar, gatinhar, andar, alimentar-se, vestir-se/despir-se, cuidar da sua higiene pessoal, fazer construções, encaixes, moldar plasticina, pintar, cortar, brincar, imitar os outros, organizar a rotina, entre outros.

Estas tarefas poderão não ser realizadas também devido a uma disfunção sensorial (incapacidade do corpo/cérebro receber/processar ou modular a informação proveniente do meio externo de forma a produzir uma resposta motora adequada. Esta disfunção só pode ser avaliada por uma terapeta ocupacional especializado em integração sensorial e pode ocorrer a nível vestibular (recetores do movimento), propriocetivo (recetores dos músculos e ossos), tátil (recetores na pele), visual, olfativo, gustativo e auditivo.

Objetivos de Intervenção

maior autonomia e funcionalidade da criança/jovem na realização das ocupações do dia a dia, com recurso a estratégias sensoriais, atividades especificas e generalização das aprendizagens para os vários contextos (casa, escola e outros prioritários).

Terapeuta Ocupacional do Gabinete de Apoio à Família e Comunidade

Patrícia Marcelino